Comer frutas em jejum cura câncer?

Frutas são uma parte importante de uma dieta saudável. Mas comer frutas em jejum cura câncer? Descubra!

Olá, eu sou o Dr. Felipe Valente e eu queria comentar com vocês hoje sobre um texto que tem circulado na internet com relação ao tratamento de câncer comendo frutas em jejum.

Para quem já é da área da saúde pode soar bastante estranho. Mas existem muitos pacientes ainda com dúvidas com relação a este tema e o boato continua circulando.

Então, resumidamente, esse boato comenta que existe um doutor, chamado Stephen Mak, que estaria tratando o câncer, com mais de 80% de resolução dos casos, apenas com a ingestão de frutas em jejum por parte do paciente.

Bom, o que já se tem de suspeito, desde o início, é o fato de se agrupar todas as frutas e dizer que todas elas vão servir para o mesmo tratamento.

Segundo ponto que é estranho, é também agrupar o câncer e todas as variantes da doença como se fossem apenas uma única doença, em que seria possível utilizar um mesmo tratamento para todas.

Além disso, esse referido estudo, do Dr. Stephen Mak, não é encontrado em nenhum site de publicação científica.

É importante lembrar que eu não estou dizendo que não valha a pena comer frutas em jejum, ou que comer as frutas em jejum faça mal. Infelizmente, encontram-se muito mais estudos sobre a eficácia dos medicamentos do que com relação à ingestão de frutas, por exemplo.

Entretanto, é um erro muito grave imaginar que seria possível tratar o câncer apenas com a ingestão de frutas em jejum. Todo médico e todo centro de especialidade de câncer adoraria ter uma saída fácil e barata para tratar a doença. O primeiro hospital ou médico que publicasse um tratamento tão simples e tão resolutivo assim poderia concorrer ao Prêmio Nobel de Medicina. Não haveria vantagem nenhuma em esconder um estudo de tamanha relevância.

Então, eu gostaria de aproveitar para desmentir os boatos de que os médicos não querem que os pacientes se tratem, ou que querem esconder os tratamentos mais baratos e mais simples. Quanto mais um médico tiver de resolução, quanto melhor ficarem seus pacientes, mais propaganda ele vai ter, mais clientes ele vai atrair, buscando a mesma resolução que esses outros pacientes também tiveram.

Ficou claro? Que tal a gente distribuir informação de verdade então?

Você tem alguma dúvida sobre esse assunto? Entre em contato comigo! Lembre-se de que você pode nos seguir no Facebook, no Youtube e no Instagram.

Até a próxima no Doutor Informação.
Porque conhecimento é o melhor remédio.

 

Doutor Informação

Dr. Felipe Valente
Médico de família e comunidade

 

Quem é o médico de família?      Fale com o Dr. Felipe Valente     Quem é o médico de família?    instagram   Quem é o médico de família?    

9 thoughts on “Comer frutas em jejum cura câncer?

    1. Isso é fake News. Não há nenhum estudo sobre esse assunto, Existe grande número de tipos de câncer que uma única “coisa” não poderia curá-lo. Pesquisem. Não aceitem tudo que dizem. Isso é brincar com a saúde das pessoas que buscam uma tabua de salvação.

  1. Discordo de voce. Se descobrirem a cura pro cancer e essa for atraves de alimento natural e barato a industria farmaceutica ira DEIXAR DE GANHAR BILHOES.

    JR

  2. Alias, o oncologista iria ter que trabalhar de clinico geral se for descoberto a cura simples, barato e acessivel a todos.
    Para quem discorda de mim assista esse documentario sobre a industria do cancer.
    https://www.youtube.com/watch?v=z_YWHso4B-M

    * o oncologista n é especialista, ja q a porcentagem de mortalidade é enorme, entao, n é justo considera-los especialista hahaha, ate parece. eles mal sabem oq estao fazendo, tudo chutometro esse é a verdade.

    JR

  3. Eu faço sumo natural de vegetais misturado com sumo de frutas.
    Quando bebido antes das refeições, sinto-me com mais energia, se bebido como sobremesa os efeitos são menores.

    1. Interessante, Ariel, obrigado por seu relato. Este tema tem sido bastante discutido ainda, realmente, nas redes sociais e aqui no site. Os estudos ainda são pequenos e inconclusivos nesta área, mas pretendemos revisitar este tema assim que houverem maiores dados estatísticos para adicionar à reflexão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *